7 dicas para poupar recursos no seu local de trabalho (e fora dele!)

Poupança de recursos no escritório

O local de trabalho é um dos sítios onde, com algumas pequenas alterações, é possível melhorar grandemente a poupança energética. Aqui na ilimitados, por exemplo, notámos uma grande diferença ao aplicar luz focalizada na zona de trabalho, ao invés de iluminar toda a sala. Sugerimos que:

  • Desligue o computador da corrente todas as noites (e especialmente ao fim-de-semana). Apesar de desligado, se continuar ligado à tomada, continuará a consumir alguma electricidade;
  • Evite imprimir documentos que possam ser facilmente lidos ou preenchidos através do computador;
  • Use ambas as páginas de cada folha de papel, antes de reciclar;
  • Em vez de iluminar toda a sala, use focos de luz nas áreas em que esta é necessária;
  • Se possível, escolha um dia da semana para ir para o trabalho a pé ou de bicicleta;
  • Tente encontrar colegas de trabalho ou pessoas da sua área de residência que trabalhem na mesma área que você, para que possam partilhar o transporte. Isto permitirá reduzir custos com o combustível e com a manutenção do carro;
  • Em alternativa, pode juntar-se ao movimento carpool (pode encontrar companhia aqui ou aqui);

Programa Eco-Inovação com novo pacote financiamento de 34,8 milhões de euros

No âmbito da sua política integrada de Qualidade, Inovação e Responsabilidade Social, a ilimitados acompanha-o na submissão e acompanhamento de projectos no âmbito do Convite da União Europeia ao Programa Eco-Inovação.

Com o programa Eco-Inovação, a Comissão Europeia lançou um novo convite à apresentação de projectos, que envolve um financiamento de 34,8 milhões de euros.

Destinado especificamente às PME que desenvolveram produtos, processos ou serviços inovadores no domínio ambiental e que enfrentam dificuldades para se implantarem no mercado, o convite abrange todos os produtos, técnicas, serviços e processos eco-inovadores destinados a prevenir ou a reduzir os impactos ambientais, ou que contribuam para uma melhor utilização dos recursos.

Este ano, o convite contempla cinco grandes domínios prioritários:

  • Reciclagem de materiais
  • Recursos hídricos
  • Produtos de construção sustentáveis
  • Atividades verdes
  • Setor dos produtos alimentares e bebidas

A taxa de co-financiamento pode atingir até 50% dos custos do projecto e a Comissão Europeia estima apoiar cerca de 50 novos projectos.

Contacte-nos para mais informações!

Era uma vez… uma marca!

imagem blogue ilimitados

Atualmente o “storytelling”, ou narrativa de histórias é uma prática comum utilizada pelas organizações na comunicação das suas marcas. Sem uma história intrigante, apaixonada e convincente os nossos produtos, as nossas ideias e até mesmo a nossa marca pessoal está logo a partida carente de conteúdo, para não dizer morta!

As pessoas são movidas a emoções! Seja qual for a idade dos nossos consumidores a melhor maneira de criar uma ligação emocional começa sempre com “Era uma vez…”.

O que até há pouco tempo era mera especulação sobre os efeitos do storytelling, veio-se a confirmar com vários estudos realizados ao longo das últimas décadas. Os resultados mostraram repetidamente que as nossas atitudes, medos, esperanças e valores são fortemente influenciados pelas histórias contadas pelas marcas. Verifica-se também que uma narrativa ficcional é mais eficaz na mudança de crenças do que uma narrativa baseada em argumentos e evidências científicas (realidade).

Os psicólogos argumentam que a criação de realidades ficcionais altera radicalmente a forma como a informação é processada pelos consumidores. Quanto maior é o envolvimento do consumidor com a história das marcas, maior é a facilidade da história influenciar o mesmo. O consumidor atual é crítico e cético quando está perante argumentos reais. Por outro lado quando está envolvido no storytelling de uma marca tem tendência a baixar a sua “guarda intelectual”. Como já foi referido o ser humano é movido a emoções e isso parece deixar-nos indefesos.

As histórias são sistemas de transmissão de uma mensagem, de forma menos evasiva com o intuito de ultrapassar barreiras intelectuais presentes na mente humana. Podemos concluir que o storytelling é uma forma excecional de persuasão. Enquanto consumidores temos de treinar as nossas defesas para um mundo cheio de contadores de histórias!

Atualmente o processo de criação de conteúdos para as marcas de forma emocional é um fator crítico de sucesso, por isso não venda produtos, conte histórias!

Romeu Cascais

Consultor na ilimitados – the marketing company

In Diário de Aveiro

Projecto de 2 minutos: Doodle Dandy

Doodle Dandy

No seguimento do projecto de 30 segundos para “desbloquear” a criatividade que apresentámos a semana passada, hoje sugerimos um desafio um bocadinho mais elaborado (mas longe de complicado).

Se se quiser manter criativo, ou criativa, em qualquer altura e em qualquer lugar é importante que desenvolva a capacidade de ver todos os elementos à sua volta como matéria-prima capaz de gerar novas ideias.

Esta é uma habilidade natural para as crianças que pode voltar a ser despertada nos adultos. A chave para este exercício está em não se preocupar em fazer rabiscos perfeitos mas simplesmente soltar a mente e deixar a criatividade fluir.

O projecto que apresentamos esta semana dá pelo nome de “Doodle Dandy”.

Como fazê-lo?

1 – Desenhe uma forma simples numa folha de papel (desligue-se do tablet e do computador). Pode ser uma forma geométrica, uma linha, etc.

2 – Escolha aleatoriamente uma das seguintes frases:

  • Feliz como uma perdiz
  • Em que parte do mundo?
  • Natureza humana
  • A arte do ruído
  • Abracadabra!
  • Vem aí sarilho!
  • Que som é esse?

Em alternativa, pode criar outras frases que vão de encontro às disponibilizadas acima.

3 – Com base na forma que desenhou no ponto 1, faça um rabisco simples que represente a frase que escolheu.

Dica:

Não demore mais que dois minutos a criar o rabisco. O objectivo principal do exercício não é desenhar mas sim Inventar (com letra maiúscula, note-se).

Via HowDesign

Sete visitas muito especiais!

Na passada sexta-feira recebemos várias visitas no nosso escritório. De manhã, foi a vez de um grupo de estudantes da licenciatura em Ciências da Informação da Faculdade de Letras do Porto, no âmbito da disciplina de Sociologia das Organizações.

Após uma breve preparação, a Daniela Armada, a Isabel Tootill, a Mariana Tato e a Rita Fontelo entrevistaram o director da empresa com vista a saber mais sobre a estratégia e trabalhos realizados pela ilimitados.

foto no escritorio

E ainda nos deixaram uma mensagem simpática 😉

Foto quadro pequeno

Ao final da tarde foi a vez da Gabriela Grangeia, da Lorina Tavares e do Tiago Balsas, da Universidade de Aveiro, passarem pelo escritório. Nesta visita, que ocorreu no âmbito da disciplina de Gestão da Inovação e Tecnologia, conversámos sobre temas tais como Design Thinking, parcerias estratégicas, a abordagem da ilimitados à inovação e a visita do mês passado a Silicon Valley.

Agradecemos-vos as visitas e desejamos a todos boa sorte para esta época de exames que se aproxima!

Projecto de 30 segundos: Haicai!

Nem todos somos poetas, mas qualquer pessoa é capaz de escrever um Haicai, e isso pode ser feito praticamente em qualquer lugar. Inicialmente, esta forma tradicional de poesia japonesa fazia referência à natureza mas, na verdade, pode ser baseada em qualquer tema. Pode imaginar o Haicai como um jogo semelhante ao Sudoku, mas com palavras (já dá para perceber que os japoneses gostam muito destes desafios).

Em português, estes poemas são usualmente escritos com 17 silabas, distribuídas por três linhas (cinco silabas na primeira linha, sete silabas na segunda e cinco silabas na última). A sua brevidade desafia-nos a sintetizar em poucas palavras sentimentos e ideias. Um poema destes, por muito pequeno que seja pode demorar horas a fazer – mas o objectivo deste exercício é fazê-lo em 30 segundos de forma a melhorar os reflexos mentais e visuais.

Como fazê-lo:

1. Use o tema em que estiver a trabalhar no momento como fonte de inspiração. Em alternativa, pode-se sempre inspirar em algo que esteja a ver no momento quer sejam livros, plantas, chaves – tudo serve;

2. Diga os pensamentos em voz alta enquanto conta as silabas pelos dedos. Lembre-se: são cinco, depois sete e novamente cinco;

3. Não perca tempo a criticar os resultados. Ajuste apenas as palavras de forma a que a frase atinja o tamanho certo e escreva-a;

4. Guarde os poemas para que os possa revisitar de vez em quando. Nunca se sabe que novas ideias poderão surgir dos Haicai que criou há um ano!

Dica:

A parte mais desafiante é encontrar a palavra certa com as silabas necessárias para terminar a frase. Caso sinta que precisa de uma ajuda pode sempre usar um dicionário ou uma enciclopédia para dar uma ajuda inicial!

Esperamos que este exercício o ajude a relaxar a mente e a “desbloquear” a criatividade para que possa encontrar novas abordagens para os seus projectos.